Serra do Relógio que emoldura São João Nepomuceno

Vista parcial de São João Nepomuceno tendo ao fundo a Serra do Relógio, uma das atrações que compõem o Circuito Turístico Caminhos Verdes de Minas. A cadeia de montanhas abriga em seu entorno várias reservas ambientais – Unidades de Conservação da Natureza (Ucs) – na região da Zona da Mata mineira.

No local já foram encontrados exemplares raros de plantas e animais. Uma das descobertas mais importantes é a presença do Gavião Real (Harpia harpyia), a maior ave de rapina do Hemisfério Sul.

A flora é representada pelas orquídeas e bromélias, vivendo nos campos rupestres mais altos e também por angicos, ipês, canjeranas, jequitibás, cedros, canelas, candeias, araucárias, samambaiuçus, palmitos e árvores frutíferas, como nêsperas, que formam a mata fechada nos pontos mais baixos da serra.

Locais importantes da reserva Alto da Boa Vista são as suas duas cachoeiras e uma lagoa, além de seis córregos que correm pela região – três deles com nascentes na própria reserva.

O Paredão das Bromélias, o Pico da Serra do Relógio, o Mirante e os mananciais d’água também se destacam e podem ser visitados por turistas. Na pedra do Relógio acontece a prática de vôo livre.

Já na Reserva Biológica Represa do Grama a grande atração é a própria mata, a maior área de floresta contínua de toda a região.

A serra do Relógio fica a 12 quilômetros do município de Descoberto, na Zona da Mata Sul, próximo à cidade de São João Nepomuceno, no extremo Leste e encosta Sul da cadeia de montanhas situadas no lugar. Com altitudes que variam de 900 a 1434 metros, as reservas do local totalizam 363 hectares de área preservada.

Uma casa para pousada e duas construções rústicas, além de área de camping, compõem as acomodações do local. Um guia turístico, assistência pessoal e rádio para comunicação dão suporte aos visitantes.

Na região da serra são produzidos mel e própolis, café, banana, feijão, pimenta, hortifrutigranjeiros e cachaça. A idéia é aproveitar estas oportunidades de maneira racional, explorando tanto o turismo quanto a produção agrícola do local, sem causar danos ao meio ambiente.

O nome da serra vem do desenho de um relógio de bolso, de cabeça para baixo, que pode ser observado em um recorte das pedras de uma das montanhas.

Remix de SJ Online

Créditos das fotos: Dalmo Filho e Paulo Regato

Anúncios
Esse post foi publicado em Poeira e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s